quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O memorial fica em frente ao Museu de Arte Moderna, que visitamos a seguir.


Apesar de pequeno, tem obras de Lichtenstein, inspiradas na arte pop...


... e quadros de Matisse. Perguntaram certa vez ao pintor, com estranheza: "Ué,uma mulher verde?", e ele respondeu: "Não é uma mulher, é uma pintura."






esculturas de Matisse



Mondrian



Picasso



Frida Kahlo




Diego Rivera



Andy Warhol



um monte de poodles...



... cercando um bebê. Moderno e hermético



Por falar em hermético, alguém me explica o que essas vassouras fazem presas a uma pedra?










Não sei o que é, mas dá vontade de passar a mão...







parecem várias tendas de plástico, uma dentro da outra...



poltrona "Vértebra", do nosso Oscar Niemeyer






O nome da obra é "Food", o autor é inglês



Na saída do museu, fomos comer na Cheesecake Factory. O lugar tinha tudo pra ser ruim (cardápio vastíssimo, aparentemente uma confeitaria metida a servir comida), mas não é que é ótimo? Fica no alto da Macy´s, com vista para a Union Square, e estava bombando quando chegamos (quase 10 da noite).



A qualquer hora do dia, é preciso esperar pelo menos 45 minutos pra conseguir mesa. Isso numa cidade cheia de ótimos restaurantes como São Francisco. Depois que descobrimos a Cheesecake Factory, não quisemos mais comer em outros lugares, apesar da demora. Experimentamos diversos pratos, todos muito bons.



pizzete de cogumelos...


... e alcachofras crocantes com aioli.



Michael não morreu.


Na manhã seguinte, cruzando a Golden Gate...



chegamos a Muir Woods, parque das sequoias gigantes.






Elas são as árvores mais altas do planeta, podendo viver até 3000 anos
































Depois, um passeio por Sausalito,



um balneário com lojinhas bem legais.

















vista de São Francisco












Adorei esta lojinha...



... com miniaturas de sapatos.



2 comentários:

Katita disse...

Vendo os "anéis da árvore" com os respectivos anos... comecei a imaginar acontecimentos do período... inevitável, né não ?
Beijocas

Nádia Lamas disse...

Incrível saber que esta árvore estava aqui muito antes de nós, e testemunhou tanta coisa... já pensou se ela falasse? bjs